A Terra entrou na sexta extinção em massa e ameaça um milhão de espécies
loading...

A Terra entrou na sexta extinção em massa e ameaça um milhão de espécies

Entre 500 mil e um milhão de espécies animais e vegetais estarão em perigo de extinção devido às alterações climáticas e à ação humana.

Cientistas alertam que a Terra entrou na sexta “extinção em massa”, a primeira causada pelo ser humano, e as conseqüências seriam devastadoras. Embora nos últimos 500 anos tenham desaparecido pelo menos 680 espécies de vertebrados, nas “próximas décadas” a ameaça crescerá e entre 500 mil e um milhão de espécies de animais e plantas estarão em perigo de extinção .

Isso decorre de um projeto de relatório de cientistas internacionais para a Organização das Nações Unidas (ONU ) sobre biodiversidade obtido exclusivamente pela agência AFP , que antecipa “uma rápida e iminente aceleração dos níveis de extinção de espécies, entre dezenas e centenas de vezes acima da média dos últimos 10 milhões de anos “. Os 130 países membros da Plataforma Científica-normativa Intergovernamental sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES) se reunirão entre 29 de abril e 4 de maio em Paris para examinar este texto, fruto de três anos de trabalho científico, e ainda pode ser modificado pelos governos.

Mudança climática: problema real, mas não o único

A primeira avaliação global dos ecossistemas em quase 15 anos é antecipada como preocupante como as previsões sobre o aquecimento global . De acordo com o mais recente resumo preliminar obtido pela AFP e datado de janeiro, “vários testes independentes indicam uma rápida e iminente aceleração dos níveis de extinção de espécies , entre dezenas e centenas de vezes mais do que a média dos últimos 10 milhões anos. ” Das 8 milhões de espécies estimadas no planeta , entre esses 5,5 milhões de espécies de insetos, “entre meio milhão e um milhão de espécies estarão ameaçadas de extinção, muitas delas nas próximas décadas”, segundo o texto, cujo formulação pode mudar de acordo com as discussões dentro do IPBES.

O relatório é parcialmente baseado na análise de espécies altamente estudadas, especialmente vertebrados, e adverte que eles pesam “incertezas” em outros menos conhecidos, como insetos. O desaparecimento dessa biodiversidade não afetará apenas a natureza. Alimentos, energia, medicamentos, os benefícios que os homens “derivam da natureza são fundamentais para a existência e riqueza da vida humana na Terra e a maioria deles não é totalmente substituível”, analisam os especialistas no projeto de relatório .

Por exemplo, mais de dois bilhões de pessoas dependem da madeira como fonte de energia, quatro bilhões usam a medicina natural e 75% das culturas do mundo exigem polinização por insetos. O uso da terra e dos oceanos ( agricultura, silvicultura, minas ) e a exploração direta dos recursos ( pesca, caça ) são os principais responsáveis ​​por esta situação desoladora. Mas a mudança climática , a poluição e as espécies invasoras , cujo impacto é “relativamente menos importante hoje”, mas “acelera”. O texto também relaciona a perda de biodiversidade às mudanças climáticas, na medida em que ambos os fenômenos são acentuados em parte pelos mesmos fatores, como o modelo agrícola em um mundo cada vez mais povoado.

“Devemos reconhecer que a mudança climática ea perda de biodiversidade são igualmente importantes, não só para o ambiente, mas também para as questões económicas e de desenvolvimento , ” disse recentemente à AFP o presidente da IPBES, Robert Watson , pedindo uma “transformação “da produção de alimentos e energia.

“Se quisermos um planeta sustentável que seja benéfico para as comunidades em todo o mundo, devemos mudar as trajetórias na próxima década, como é o caso do clima”, disse Rebecca Shaw , cientista-chefe do WWF (World Wildlife Fund). Da mesma forma, o relatório estima, por outro lado, que três quartos da superfície terrestre, 40% do ambiente marinho e metade das fontes de água estão “seriamente alterados” . Nesse sentido, as regiões mais afetadas são aquelas em que os indígenas vivem, especialmente dependentes da natureza e das populações pobres, que já são as mais vulneráveis ​​aos impactos das mudanças climáticas.

ED CP (Fuente www.perfil.com).

 

Você também deve apreciar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *