Astrofísicos concluem: Alienígenas tecnologicamente avançados quase certamente existem
loading...

Astrofísicos concluem: Alienígenas tecnologicamente avançados quase certamente existem

No ano passado, a equipe de astrônomos da nave espacial Kepler anunciou a descoberta de 1.284 novos planetas, todos orbitando estrelas fora do nosso sistema solar. O número total de “exoplanetas” está agora em mais de 3.000.

Isso representa um grande passo para nosso conhecimento planetário. Uma década atrás, até a descoberta de um único exoplaneta era uma grande novidade. Não mais. Com os avanços na tecnologia de observação astronômica estamos descobrindo novos exoplanetas mais regularmente e descobrindo que cada estrela no céu provavelmente hospeda pelo menos um planeta.

Embora a descoberta de todos esses planetas extra é uma grande notícia para a nossa compreensão do universo em que vivemos, este é apenas o começo da história. Há outra pergunta que todo mundo quer a resposta:

Será que o nosso recém-descoberto conhecimento dos planetas nos traz mais perto de responder se esses planetas têm alienígenas vivendo neles?

Os professores Woodruff Sullivan e Gray Matter publicaram um artigo respondendo a essa pergunta, e sua conclusão é surpreendente.

 

Reformulação da equação de Drake

 

Entre os cientistas, a probabilidade da existência de uma sociedade alienígena com a qual poderíamos fazer contato é discutida em termos de algo chamado equação de Drake.

Em 1961, a Academia Nacional de Ciências pediu ao astrônomo Frank Drake para sediar um encontro científico sobre as possibilidades de “comunicação interestelar”. Dado que as probabilidades de contato com a vida extraterrestre dependiam de quantas civilizações extraterrestres avançadas existiam na galáxia, Drake identificou sete Fatores de que esse número dependeria, e os incorporou em uma equação:

O primeiro fator foi o número de estrelas nascidas a cada ano.
A segunda era a fração de estrelas que tinham planetas.
Depois usou  o número de planetas por estrela nos quais viajou em órbitas com locais certos para a vida (assumindo que a vida requer água líquida).
O próximo fator foi a fração de tais planetas onde a vida realmente começou.
Então vieram fatores para a fração de planetas vida-rolamento em que a inteligência e as civilizações avançadas evoluíram.
O fator final foi a vida média de uma civilização tecnológica.
A equação de Drake não deveria ser entendida como uma lei universal, mas sim como uma estrutura para organizar a discussão. Em 1961, apenas o primeiro fator – quantas estrelas nasceram a cada ano – foi compreendido. Daí as discussões sobre a existência de civilizações alienígenas acabaram sendo vistas de forma pessimista (ou otimista!).

O novo conhecimento planetário que temos agora removeu parte da incerteza desse debate, e Sullivan e Matter usaram esse conhecimento para mudar o foco da equação de Drake.

Em vez de perguntar quantas civilizações existem atualmente, eles perguntaram qual é a probabilidade de que a nossa é a única civilização tecnológica que já apareceu. Ao fazer a pergunta desta forma, eles ignoraram o fator sobre a vida média de uma civilização e ficaram com apenas três fatores desconhecidos que combinados em uma probabilidade “biotecnológica”: a probabilidade de criação de vida, vida inteligente e capacidade tecnológica.

Seu cálculo revelou que as probabilidades de que não somos a primeira civilização tecnológica são realmente muito altas. Como concluíram, a menos que a probabilidade de uma civilização se desenvolver em um planeta de zona habitável seja inferior a um em 10 bilhões de trilhões, então não somos os primeiros.

Para fornecer algum contexto para o que eles estão sugerindo:

Dado o que sabemos agora sobre o número e as posições orbitais dos planetas da galáxia, o grau de pessimismo necessário para duvidar da existência de uma avançada civilização extraterrestre limita-se com o irracional.

Um importante passo a frente

Na ciência um importante passo a frente pode ser feito pela reformulação da pergunta original e respondê-la com os dados à mão. O artigo de Sullivan e Matter fez exatamente isso, concluindo que as civilizações alienígenas quase certamente existiram no passado.

Quanto à grande questão de se existem outras civilizações atualmente, podemos esperar algum tempo para esperar os dados relevantes. Porém, percorremos um longo caminho em um período muito curto de tempo.

Talvez a razão pela qual não ouvimos falar de estrangeiros é porque os que teriam a capacidade de se comunicar conosco estão envolvidos em assuntos muito mais importantes, como remodelar o universo, ou talvez criar um novo. Afinal, sem intervenção, um dia todas as estrelas se queimarão. Uma civilização inteligente com o poder de estrelas, galáxias, matéria escura e buracos negros à sua disposição provavelmente poderia descobrir como transformar o universo físico em uma mente coletiva.

 

Fonte: NASA / New York Times https://www.nytimes.com/2016/06/12/opinion/sunday/yes-there-have-been-aliens.html?_r=0

Você também deve apreciar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *