ASTRÔNOMOS CAPTURAM IMAGENS REAIS DE DOIS PLANETAS NASCENDO
loading...

ASTRÔNOMOS CAPTURAM IMAGENS REAIS DE DOIS PLANETAS NASCENDO

PDS 70, a estrela que no ano passado nos deu a primeira imagem direta e confirmada do nascimento de um planeta, tinha um algo extra em seu disco protoplanetário. Em observações posteriores, os astrônomos encontraram um segundo planeta – e conseguiram tirar fotos de ambos.

Os dois planetas que orbitam a PDS 70 são o PDS 70b e o PDS 70c. A nova imagem mostra que eles estão causando uma enorme cavidade no disco protoplanetário de gás e poeira que envolve a jovem estrela, uma anã laranja a apenas 370 anos-luz de distância. É uma conquista técnica magnífica e uma coisa incrível de se ver.

(Créditos: Nature Astronomy)

Nós sabemos que existem muitos exoplanetas por aí. Milhares deles foram detectados, em sua maioria, procurando pelo leve escurecimento que ocorre quando um planeta passa na frente de uma estrela, o chamado método de trânsito.

Também sabemos que quando as estrelas são recém formadas, elas são orbitadas por um disco rodopiante de poeira, pedras e gás. Acredita-se que a formação planetária ocorre quando as partículas no disco colidem umas com as outras e se unem gradualmente se fortalecendo gravitacionalmente, coletando e limpando o material do caminho orbital, e eventualmente formando um planeta.

Os astrônomos no passado tiraram algumas imagens surpreendentes desses discos protoplanetários, mas fotografar diretamente um planeta é muito mais difícil. Isso ocorre porque geralmente os exoplanetas estão muito distantes e, portanto, muito fracos para serem vistos pelos nossos telescópios ópticos, especialmente quando qualquer luz que eles possam refletir é ofuscada pelo brilho da estrela.

O PDS 70b, como já vimos no ano passado, é de cerca de 4 a 17 vezes a massa de Júpiter, orbitando a estrela a uma distância de cerca de 3 bilhões de quilômetros, um pouco mais longe do que Urano orbita o Sol. Demora cerca de 120 anos para uma única órbita completa. O planeta foi descoberto usando o instrumento de caça ao planeta SPHERE no Very Large Telescope do ESO, com seus filtros de polarização e polarização bloqueadores de luz estelar que bloqueiam comprimentos de onda específicos, permitindo que o telescópio se concentre na luz que pode ser refletida por um planeta, em oposição à luz emitida por uma estrela.

O PDS 70c é um pouco menor, cerca de 1 a 10 vezes a massa de Júpiter. É também mais distante, orbitando a 5,31 bilhões de quilômetros, e seu período orbital é quase exatamente o dobro do PDS 70b. Para cada duas das órbitas do 70b, o 70c circula apenas uma vez. Ele foi descoberto usando um instrumento diferente, o espectrógrafo MUSE do VLT, com um novo modo que permite que o telescópio alcance uma assinatura de acreção de gás, o que se pode ver em um planeta gigante de gás se formando. Este modo não foi originalmente planejado para caçar exoplanetas, mas para estudar galáxias e aglomerados estelares. Mas a descoberta aponta para uma possível nova maneira de tentar identificar exoplanetas ainda em formação dentro de discos protoplanetários.

“Ficamos muito surpresos quando encontramos o segundo planeta”, disse o astrônomo Sebastiaan Haffert, do Observatório de Leiden. [ScienceAlert]

Você também deve apreciar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *