Bióloga que salvou Arara Azul da extinção vira personagem da Turma da Mônica
loading...

Bióloga que salvou Arara Azul da extinção vira personagem da Turma da Mônica

 

Na última terça-feira (11), foi celebrado o Dia Internacional das Meninas e Mulheres na Ciência. Para comemorar a data, a Mauricio de Sousa Produções retratou a bióloga Neiva Guedes como uma personagem da Turma da Mônica.

A homenagem faz parte do projeto Donas da Rua da Ciência, que resgata a história de pesquisadoras e cientistas que deram grandes contribuições para a humanidade, como Marie Curie, Ada Lovelace, Bertha Lutz, Katherine Johnson e Katie Bouman.
Neiva dedicou 30 dos 58 anos de vida à preservação da arara-azul-grande, um dos símbolos do Pantanal, que corria o risco de ser extinta até pouco tempo atrás.

“A arara-azul, que encanta a todos com sua cor vibrante e som alegre, vem sofrendo com a destruição de seus lares e com a captura ilegal para tráfico de animais silvestres. Não podemos nos conformar com a previsão catastrófica da extinção, seja qual for o ser vivo. É preciso arregaçar as mangas para mudar o curso da história”, diz a bióloga, que é doutora em Zoologia e mestre em Ciências Florestais.

“Fiz mestrado em Ciências Florestais e a Arara Azul foi objeto do meu mestrado. Acabou virando um projeto de vida, porque era tão envolvente o trabalho, que acabei dedicando quase 30 anos a ele”, afirmou a bióloga sul-mato-grossense, fundadora do Instituto Arara Azul, ao jornal O Pantaneiro.

Boa parte do trabalho da bióloga é dedicado à conscientização sobre o valor da arara-azul-grande.

“Se eu quisesse apenas concluir o meu mestrado era só coletar os dados e ir embora. Talvez a arara acabasse. Assim, fomos conversando e mostrando para as pessoas o que estávamos estudando, que elas eram privilegiadas de morar junto com as araras e de ter essa convivência harmoniosa com as aves todos os dias. É uma vida muito bacana a do pantaneiro tradicional junto com a

natureza, muito harmoniosa”, contou à National Geographic.

Para a pesquisadora, o trabalho de conscientização é a chave para a continuidade e prosperidade das araras-azuis-grandes.

“As pessoas convivem com a natureza, mas não estão atentas. Se não contarmos com as crianças que são o futuro, com o tema da natureza, muita coisa pode ser perdida”, afirmou ao Ciclo Vivo.

Para Mônica Sousa, criadora do projeto Donas da Rua, que também já homenageou mulheres de outras áreas da vida pública, como Emma Watson, é fundamental dar visibilidade para ações que tragam benefícios para a humanidade, não só locais.

“É com muito orgulho que homenageamos a pesquisadora que segue na linha de frente lutando pela conservação do nosso meio ambiente. Enaltecer o papel das mulheres no campo da ciência é muito importante para inspirar meninas e mulheres que são apaixonadas pela área”, afirmou.

Ajude reserva ambiental do Amapá a não fechar as portas


Preservar e conscientizar também são palavras de ordem na reserva ambiental Revecom, criada às margens do Rio Amazonas, no Amapá. Ali, vivem 300 animais silvestres resgatados.
Há mais de 20 anos, a reserva não só protege esses animais, mas também a floresta e nascentes de rios. O projeto sobrevive de doações e de um convênio com a Prefeitura de Santana.

Sem recursos para arcar com todas as despesas, corre o risco de fechar as portas. Para impedir que isso aconteça, criamos uma vaquinha na VOAA. Clique aqui e contribua.

A cada bebê que traz ao mundo, o médico Calixto Hueb presenteia a mãe com uma arvorezinha para que a criança cresça com ela. É um primeiro presente à família do recém-nascido e também uma contribuição valiosa do médico para a preservação do meio ambiente. Vem conhecer mais essa história, dá play no vídeo abaixo:

Você também deve apreciar:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *