História confirma encontros entre gigantes reais e exploradores
loading...

História confirma encontros entre gigantes reais e exploradores

Os seres humanos sempre foram fascinados pelo que se encontra além das fronteiras e horizonte do nosso mundo, pelo que se encontra na próxima colina ou sobre as ondas além do que vemos. Esse fascínio nos levou a explorar e entender nosso planeta desde os tempos remotos, e incontáveis ​​exploradores ultrapassaram as fronteiras de nossos mapas e os limites de nosso horizonte para descobrir, domar e conquistar. Temos muitos registros dessas aventuras e, muitas vezes, espreitam dentro delas histórias surpreendentes sobre povos e criaturas estranhas, algumas das quais são tão misteriosas e desconcertantes como eram então; e uma delas é sobre os gigantes do Novo Mundo.

Talvez o conto mais intrigante e amplamente conhecido de verdadeiros gigantes na era da exploração tenha começado com um relato sobre ninguém menos que o grande explorador português Fernão de Magalhães. Entre os anos de 1519 e 1522, Magalhães embarcou em sua mais famosa viagem, uma expedição para procurar uma boa rota para as ilhas Maluku das Índias Orientais, que acabaria resultando na primeira circunavegação do mundo. Magalhães recebeu o comando de cinco navios e uma parte de sua viagem levou-os através do vasto oceano até a distante terra da Patagônia, no extremo sul da América do Sul. Foi aqui que a expedição se deparou com uma visão bastante desconcertante.

De acordo com relatos do cronista oficial da expedição, Antonio Pigafetta, ao se aproximarem da costa da Patagônia, eles testemunharam uma pessoa de “enorme estatura” dançando e pulando nua na praia, enquanto estranhamente jogava poeira em sua cabeça. Aparentemente, um membro da tripulação foi enviado para tentar fazer contato com o misterioso gigante e, ao chegar à costa, o homem começou a imitar os movimentos excêntricos e o comportamento do gigante em um esforço para ampliar a amizade. Pigafetta relataria o que aconteceu assim:

O capitão-geral [isto é, Magalhães] enviou um dos nossos homens ao gigante para que ele pudesse realizar as mesmas ações, como um sinal de paz. Feito isso, o homem levou o gigante a uma ilhota onde o capitão-general aguardava. Quando o gigante estava na presença do capitão-geral e em nossa presença, ele ficou muito maravilhado e fez sinais com um dedo para cima, acreditando que tínhamos vindo do céu. Ele era tão alto que chegávamos apenas à sua cintura e ele estava bem proporcionado.

Os exploradores supostamente deram comida e bebida a essa enorme criatura, e notou-se que o gigante estava absolutamente aterrorizado quando viu um espelho. Magalhães e seus homens finalmente puderam fazer contato com o resto da tribo da criatura, e eles estavam em bons termos a princípio, ganhando lentamente a confiança dos gigantes ao longo de várias semanas, até mesmo comendo e caçando com eles. Infelizmente, os exploradores europeus que eram, os homens não resistiram a tentar capturar alguns deles para levar para casa. Dois dos gigantes foram supostamente capturados, mas não sobreviveram à longa e angustiante jornada de volta à Espanha, o que significa que não retornaram com nenhuma evidência real de gigantes na Patagônia, mas somente com suas histórias fantásticas sobre o que haviam visto.

As histórias realmente decolaram e, de fato, a Patagônia se tornaria sinônimo da imagem de gigantes desajeitados. Tal foi a popularidade do conto que o próprio nome da região, a Patagônia, vem do nome de Magalhães para as criaturas, patagones, que podem ser derivadas da palavra espanhola pata, que significa “pé”, tornando o nome algo semelhante a “A Terra dos Pés Grandes”, ou pode simplesmente vir dos personagens fictícios de homens selvagens que os Patagônicos caracterizaram em um livro da época chamado Primaleon, dependendo a quem você perguntar.

As histórias desses gigantes misteriosos que vivem no vasto oceano em alguma terra distante e exótica realmente capturaram a imaginação na época, e isso seria ainda mais estimulado quando outros relatos dos gigantes da Patagônia começaram a surgir de outros exploradores nos anos posteriores. Por exemplo, em 1579, Francis Fletcher, capelão de Sir Francis Drake, escreveu sobre esses gigantes, que diziam ter cerca de 3 metros de altura. Na década de 1590, o explorador Anthonie Knivet também alegou que durante seu tempo na Patagônia, ele havia visto alguns cadáveres dos gigantes, que foram estimados em cerca de 3,6 metros de altura, e havia outro relato do explorador inglês William Adams, que alegou que sua expedição tinha sido atacada por nativos invulgarmente grandes enquanto contornava a Terra do Fogo.

Tais encontros alimentaram ainda mais rumores de que a Patagônia era de fato uma terra de gigantes, e esses relatórios extremos continuariam. Em 1615, os circunavadores holandeses Willem Schouten e Jacob Le Maire alegaram ter encontrado uma sepultura misteriosa que estava cheia de ossos e restos de seres estranhos que teriam cerca de 3,3 metros de altura. Em 1766, houve o relato de que o comodoro John Byron, que havia circunavegado o mundo a bordo do navio Dolphin, havia encontrado uma tribo de enormes nativos na Patagônia, que mediam entre 2,40 metros e 3,60 de altura.

Esses enigmáticos relatos vindos desses exploradores da Patagônia não só despertaram muita surpresa, mas também debate e ceticismo da comunidade científica. Muitos acadêmicos acreditavam que os contos eram fraudes, exageros excessivos ou um ardil para cobrir as reais intenções por detrás daqueles que faziam excursões à América do Sul, mas a crença de que esses gigantes eram reais, no entanto, persistiu entre a população em geral. Nos últimos anos, as lendas românticas dos gigantes da Patagônia diminuíram um pouco à medida que informações mais realistas vieram à luz, como um relatório oficial revisado das viagens de Byron, lançado em 1773, no qual foi escrito que os nativos que eles encontraram tinham na verdade apenas 2,0 metros de altura, que ainda era muito alto para a época, mas longe dos rumores de 2,40 a 3,60 metros. Além disso, em 1628 o sobrinho de Sir Francis Drake afirmou em seu livro The World Encompassed, que a altura dos ‘gigantes’ que seu tio havia encontrado e falado fora altamente exagerada, escrevendo:

Magalhães não estava totalmente enganado em nomear esses gigantes, pois eles geralmente diferem do tipo comum de homem, tanto em estatura, grandeza e força de corpo, quanto também na hediondez de suas vozes: mas eles não são nada tão monstruosos e gigantescos como estavam representados, havendo alguns ingleses tão altos quanto o mais alto que pudemos ver, mas talvez os espanhóis não achassem que algum inglês viria para reprová-los e, portanto, presumiram que poderiam mentir audaciosamente.

Acredita-se que esses exploradores possam estar realmente se deparando com uma tribo da Patagônia chamada Tehuelche, que tem uma das alturas médias mais altas do mundo, comumente excedendo 1,80 metros e alcançando mais de 2,10. Eles teriam certamente se sobrepujado na maior parte da Europa. Os exploradores do dia, que normalmente teriam ficado na faixa de 1,52 metro, e os subsequentes exageros, rumores, recontagens e erros de identificação de observadores poderiam ter visto as descrições da altura dos ‘gigantes’ aumentarem, dando origem a histórias misteriosas de viajantes contendo rumores e boatos. No entanto, no caso de Magalhães, o cronista era um observador astuto e tinha um olho para os detalhes, com a maioria de suas informações bastante precisas, por isso é difícil dizer se Pigafetta teria inventado tal coisa.

A Patagônia não é o único lugar que viu relatos históricos de gigantes reais à espreita no sertão do Novo Mundo, e criaturas semelhantes foram descritas durante a era dos Conquistadores nas selvas do que hoje é a Flórida. O conquistador espanhol e explorador Pánfilo de Nárvaez enfrentou uma desastrosa e fracassada invasão do norte da Flórida, depois de perder a maioria de seus homens para ataques e doenças nativas, falta de suprimentos adequados e ser abandonado pelos próprios navios que os levaram até lá, e ele mesmo desapareceria depois de partir para Cuba em uma jangada improvisada.

Um sobrevivente de toda a provação foi um oficial subalterno chamado Alvar Nuñez Cabeza de Vaca, que junto com um grupo de outras pessoas decidiu ir direto para a segurança no México, o que eles erroneamente acreditavam estar muito mais perto de onde estavam do que na verdade estava. Eles construíram uma jangada e partiram em sua viagem mal concebida, e Cabeza de Vaca sobreviveria à provação e seguiria até o Texas, antes de finalmente voltar para a Espanha e finalmente escrever um relato de  aventuras. Enterrado neste diário está um relato muito estranho e angustiante em que esse grupo heterogêneo aparentemente encontrou um grupo de gigantes misteriosos muito agressivos ao atravessar um lago na Flórida. Cabeza de Vaca afirmou em seu diário:

Quando tentamos atravessar o grande lago, ficamos sob o pesado ataque de muitos índios gigantes escondidos atrás das árvores. Alguns dos nossos homens foram feridos neste conflito, pelo que a boa armadura que usavam não valeu. Os índios que havíamos visto eram todos arqueiros. Eles andavam nus, eram grandes, e aparecem à distância como gigantes. Eram de proporções admiráveis e de grande atividade e força. Os arcos que usavam eram tão grossos quanto o braço, de onze ou doze palmos de comprimento, que atiravam a duzentos passos, com uma precisão tão grande que não erravam nada.

Outras áreas da América do Norte tiveram relatos históricos de gigantes na mesma época, e os povos indígenas frequentemente falavam de criaturas gigantescas que habitavam a terra. Em 1519, uma aldeia inteira de gigantes foi supostamente encontrada em algum lugar ao longo do rio Mississippi pelo explorador Alonzo Álvarez de Piñeda durante uma expedição para mapear a área da Costa do Golfo. Piñeda os descreveu como uma “raça de gigantes, de dez a onze palmos de altura”, e disse que eles eram pacíficos e tinham uma riqueza de ouro, ainda que os nativos ficassem aterrorizados com eles. Anos depois, em 1539, houve também o relato de Hernando De Soto, que ficou cara a cara com numerosos gigantes durante suas aventuras pela porção sudeste do que hoje são os Estados Unidos. De Soto partira de Tampa Bay, na Flórida, com um contingente de centenas de homens, e durante a jornada eles supostamente encontravam com frequência tribos de nativos governados por gigantes. Um deles era um chefe Tuscaloosa, que foi encontrado no oeste do Alabama e disse ser um homem enorme e gigante que se elevava sobre todos os outros.

Há também os relatos do conquistador e explorador espanhol Hernando de Alarcón, que estava tentando encontrar um rio que pudesse ser usado para transportar suprimentos para as tropas espanholas ao longo das costas da Califórnia e do México. Alarcón subiu o rio Colorado até o Grand Canyon, e durante essa jornada ele e seus homens supostamente se depararam com uma tribo de cerca de 200 guerreiros gigantes de até 3 metros de altura. Os gigantes eram supostamente muito agressivos, mas Alarcón os apaziguou com presentes e outros sinais de paz. O conquistador Francisco Coronado também contou que se deparou com tribos inteiras de gigantes durante sua missão em todo o sudoeste em busca do lendário El Dorado.

Em alguns casos, foram encontradas evidências físicas desses gigantes, como supostamente aconteceu com o conquistador Bernal Díaz del Castillo, que serviu sob Hernán Cortés durante a conquista espanhola do México. Dentro das páginas de seu registro detalhado da conquista e subsequente colapso do Império Asteca, A Verdadeira História da Conquista da Nova Espanha, há um estranho relato de uma raça de gigantes que foi dita pelos índios Tlaxcatec de terem habitado uma vez o área. O chefe da tribo então forneceu os restos desses misteriosos gigantes como evidência, dos quais Castillo escreveria sobre os contos e os restos:

Eles disseram que seus ancestrais haviam dito a eles que homens e mulheres muito altos, com ossos enormes, haviam morado entre eles. Mas como eram pessoas muito más com costumes perversos, lutaram contra eles e os mataram, e os que restaram morreram. E para nos mostrar o quão grandes eram esses gigantes, eles nos trouxeram o osso da perna de um, que era muito grosso e da altura de um homem de tamanho comum, e isso era um osso da perna desde o quadril até o joelho. Avaliei-me contra isso, e era tão alto quanto eu, embora eu tenha uma altura razoável. Eles trouxeram outros pedaços de ossos do mesmo tipo, mas estavam todos podres e devorados pelo solo. Ficamos todos admirados com a visão desses ossos e nos sentimos certos de que deve ter havido gigantes naquela terra.

Não está claro o que aconteceu com esses restos, e este permanece sendo apenas mais um relato estranho e não verificado entre muitos.

Aqui examinamos alguns dos inúmeros relatos de gigantes reais sendo encontrados em toda a América do Norte e do Sul na era da exploração, e tais relatos desapareceram na história para serem esquecidos e desprovidos de qualquer evidência ou prova real. Fica-se a pensar se há alguma verdade nesses relatos históricos desses maciços monstros, ou se eles são apenas grandes contos criados por exploradores cautelosos ou o produto de anos de evolução. É difícil determinar quanto desses contos são reais ou fabricados, e somos amplamente deixados para especular e nos perguntar sobre o que esses exploradores viram lá fora nessas áreas desconhecidas do planeta. Se os relatos foram reais ou não, a ideia de que os gigantes já percorreram o mundo é tentadora e provavelmente irá disparar a imaginação por um longo tempo para vir.

(Fonte)

Você também deve apreciar:

Mostrar
Hide Buttons