Ninguém nunca viu a Pequena Nuvem de Magalhães com tantos detalhes
loading...

Ninguém nunca viu a Pequena Nuvem de Magalhães com tantos detalhes

Novo telescópio surpreende com a melhor e mais detalhada imagem da Pequena Nuvem de Magalhães

Utilizando o observatório Australian Square Kilometer Array Pathfinder (ASKAP), os pesquisadores conseguiram registrar a imagem de ondas de rádio mais detalhada da galáxia satélite da Via Láctea chamada Pequena Nuvem de Magalhães.

Esta galáxia anã é cerca de 100 vezes menor do que a Via Láctea, e está a 200 mil anos-luz da Terra. Ela pode ser vista como uma nuvem difusa aqui nos céus do Hemisfério Sul. Agora, o ASKAP mostra a Pequena Nuvem de Magalhães em comprimentos de ondas de rádio – uma visão ardente de aglomerados vermelhos que se assemelham a um pôr-do-sol perturbador em Mordor. Os diferentes tons de vermelho revelam a quantidade de gás de hidrogênio em cada área, medida pela emissão de hidrogênio a 21 centimetros (1420 MHz).

 

Os átomos de hidrogênio são os blocos de construção que compõem todas as galáxias – onde o gás de hidrogênio se acumula, nascem novas estrelas. Mas uma vez que eles se formam, poderosos ventos estelares destroem átomos de hidrogênio, e isso acontece de forma ainda mais evidente quando as estrelas próximas morrem em explosões de supernova. Por conta disso, o comportamento do hidrogênio pode revelar mais sobre as estruturas de uma galáxia do que suas estrelas ou poeira.

A imagem mostra enormes filamentos gasosos que ultrapassam a borda da galáxia anã, que talvez sejam arremessados quando ela se move em torno do halo da Via Láctea.

A melhor imagem de rádio da Pequena Nuvem de Magalhães.
Vermelho escuro indica regiões com pouco gás de hidrogênio, enquanto o laranja e o branco indicam regiões ricas em hidrogênio.
Créditos: ASKAP / ANU / CSIRO

Esta nova imagem faz parte de um estudo inicial do ASKAP, usando apenas 16 das 36 antenas idênticas de 12 metros. O ASKAP está localizado no remoto Observatório de Radio-Astronomia de Murchison, na Austrália Ocidental, um local ideal para observação de rádio. Embora o telescópio ainda não esteja completo, todos os sistemas principais estão em operação. Os gerentes de projetos esperam concluir a construção em 2018.

Mesmo sendo um resultado obtido de forma parcial, utilizando parte do observatório, a imagem é pelo menos três vezes mais nítida do que a melhor imagem anterior de gás hidrogênio da Pequena Nuvem de Magalhães, obtida pelo Australia Telescope Compact Array. A imagem de ASKAP também possui maior sensibilidade, mostrando características que antes não eram vistas, e abrange uma área maior, permitindo que os pesquisadores estudem a interação da galáxia com seus arredores.

Foram necessárias apenas 33 horas de observação durante três noites para capturar esse novo retrato galático. A melhor imagem anterior do nosso vizinho galático, além de ser três vezes menos nítida, precisou de oito noites de observações, durante as quais os astrônomos tiveram que apontar o telescópio para centenas de pontos separados da galáxia para obter a imagem inteira.

ASKAP - observatório de rádio no oeste da Austrália
Observatório de rádio ASKAP, no oeste da Austrália.
Créditos: CSIRO

“A área mostrada na imagem é cerca de 100 vezes a área preenchida pela Lua Cheia no céu”, diz Naomi McClure-Griffiths, da Universidade Nacional Australiana). “Com ASKAP, nós conseguimos isso em um único quadro.” Em comparação, o Jansky Very Large Array no Novo México precisaria observar mais de 500 quadros separados para cobrir essa mesma área.

O ASKAP está preparado para realizar pesquisas de ponta, com nove grandes projetos já em andamento. Ele é também um “teste” para a tecnologia que será implementada no Square Kilometer Array (SKA) – um projeto internacional de $ 1,8 bilhão de dólares que visa construir o maior radiotelescópio do mundo, com mais de 2.000 antenas e uma superfície de coleta combinada de mais de um quilômetro quadrado, dividida entre dois locais na Austrália e África do Sul.

Quando finalmente concluído (o que não deve acontecer antes de 2020), os astrônomos esperam que o SKA atinja importantes objetivos científicos. O SKA ajudará os astrônomos a descobrir como as primeiras estrelas e buracos negros se formam, compreender melhor a evolução da galáxia e a buscar moléculas orgânicas no espaço. E se houver algum sinal de rádio extraterrestre artificial, o SKA também será capaz de captá-lo de forma bastante clara.

Imagens: (capa-ASKAP) / ASKAP / ANU / CSIRO / divulgação

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Você também deve apreciar:

Fogos de artifício estelares: equipe registra nascimento espetacular de estrelas
HOJE, confira: Chuva de meteoros Eta Aquáridas 2017
Júpiter já possui 69 luas conhecidas
19 curiosidades fantásticas sobre a gravidez
O elo perdido: a busca por buracos negros de massa intermediária
Mais evidência de água em Marte
Saiba como treinar gratuitamente para ser um futuro astronauta
A NASA compilou sons fantasmagóricos vindos do espaço - e eles são de arrepiar!
A galáxia mais antiga já fotografada foi confirmada por esta incrível nova técnica astronômica
Enigma: Esta estrela morreu, sobreviveu e depois explodiu de novo 60 anos depois
Conheça o caso raro da mulher que estava grávida quando engravidou pela segunda vez
Nova espécie de árvore é possivelmente o mais pesado organismo vivo descoberto em 2017
Mostrar
Hide Buttons