A discussão sobre o clima persistiu por décadas desde que descobrimos que há uma influência do homem sobre o meio ambiente. A partir daí, muitos pesquisadores passaram a pesquisar por inovações capazes de reduzir os níveis de dióxido de carbono industrial. Uma dessas inovações é a folha molecular.

Podemos coletar oficialmente energia solar sem painéis solares

Liang-shi Li da Universidade de Indiana e uma equipe internacional de cientistas descobriram esta nova maneira de reciclar dióxido de carbono na atmosfera da Terra. Com o uso de luz ou eletricidade, a molécula construída pela equipe pode converter o notório Gás de Efeito Estufa em monóxido de carbono. A folha molecular é o método mais eficiente para redução de carbono até o momento.

O monóxido de carbono gerado por esta molécula poderia ser reutilizado como combustível. Monóxido de carbono libera uma abundância de energia, assim como dióxido de carbono.conversão de dióxido de carbono de volta em monóxido de carbono requer tanta energia como é liberada pela queima do monóxido de carbono, este ciclo potencial tem sido em grande parte responsável por uma acumulação de dióxido de carbono. O trabalho da equipe pode levar à redução deste acúmulo de dióxido de carbono, tornando o ciclo de conversão mais eficiente e aproveitando a energia solar.

Contra os Gases de Efeito Estufa

A estrutura de nanogramas da molécula tem uma cor escura que absorve grandes quantidades de luz solar. A energia da luz solar é então utilizada pela engrenagem molecular de rênio para produzir monóxido de carbono a partir de dióxido de carbono.

A folha molecular nos ajudaria a combater os gases de efeito estufa do dióxido de carbono. Desde a revolução industrial, elevamos os níveis de dióxido de carbono de 280 partes por milhão para 400 partes por milhão nos últimos 150 anos. Os cientistas concordam que há uma probabilidade de 95 por cento que os gases de estufa produzidos pelo homem aumentaram a temperatura da Terra nos últimos 50 anos.

Enquanto Li está feliz por sua inovação ser eficiente no combate aos gases de efeito estufa, ele espera melhorar a folha molecular produzindo uma que possa sobreviver de forma não líquida. A equipe também está procurando maneiras de substituir o elemento de rênio com manganês, que é muito mais comum e, portanto, muito mais acessível para a reprodução. Mas mesmo sem essas melhorias, a folha molecular poderia ser ferramenta poderosa nos esforços para deter a evidente mudança climática.

Por Neil C. Bhavsar