Pesquisadores criam molécula que pode matar o HIV
loading...

Pesquisadores criam molécula que pode matar o HIV

696w, 300w, 768w, 780w” alt=”” width=”696″ height=”357″ />
Bactérias e vírus renderizados em 3D.

Em animais de laboratório, uma partícula desenvolvida por cientistas da UCL, Stanford e NIH acorda células virais dormentes e, em seguida, as deixam inanimadas.

Drogas anti-HIV atuais são muito eficazes em fazer o HIV indetectável e em permitir que os vírus tenham vidas longas e saudáveis. Os tratamentos, uma classe de medicamentos chamados de terapia antirretroviral, também reduz grandemente a chance de transmissão de pessoa para pessoa.

Mas os medicamentos não conseguem de fato eliminar os vírus do organismo, que tem a habilidade de eludir medicamentos ao ficar dormente em células chamada Células T CD4+, que fazem a sinalização para outro tipo celular, as CD8, que são responsáveis por destruir células infectadas por HIV. Quando uma pessoa com HIV para o tratamento, o vírus emerge e se replica no corpo, enfraquecendo o sistema imune e aumentando as chances de que uma infecção oportunista possa adoecer ou até matar o paciente.

Pesquisadores tem procurado por meios de eliminar essas “reservas” onde o vírus se esconde, e a equipe da UCL, Stanford e NIH pode ter desenvolvido uma solução. A abordagem envolve enviar um agente para “acordar” o vírus dormente, o que faz com que ele comece a se replicar para que ou o sistema imune ou o próprio vírus mate as células infectadas.

Os cientistas chamam a técnica de “Chutar e matar”.

Destruir as células de reserva viral pode livrar parcial ou totalmente do vírus as pessoas infectadas. E apesar que a técnica ainda não ter sido testada em humanos, uma molécula sintética que eles desenvolveram foi eficaz em “chutar e matar” o HIV em animais de laboratório, de acordo com o estudo publicado em 21 de setembro na PLOS Pathogens.

“A reserva latente de HIV é muito estável e pode reativar a replicação viral se o paciente parar de tomar os antirretrovirais por qualquer motivo” disse Matthew Marsden, autor primário do estudo. “Nosso estudo sugere que podem haver meios de ativar o vírus latente no corpo do paciente enquanto este toma os medicamentos para prevenir o vírus de se espalhar, e isso pode ajudar a eliminar pelo menos um pouco desta reserva latente”.

Para testar essa abordagem, os pesquisadores deram drogas antivirais para ratos que foram infectados com o HIV, e então administraram um composto sintético chamado de SUW133, que foi desenvolvido na Stanford, para ativar o HIV dormente dos ratos. Até 25% das células previamente dormentes que passaram a expressar o HIV morreram após 24h.

Com mais desenvolvimento, a técnica pode ser capaz de abaixar a reserva o suficiente para que pessoas com HIV sejam capazes de descontinuar sua terapia antirretroviral, disse Marsden.

SUW133 é baseado na bryostatin 1, um composto natural extraído de um animal marinho chamado Bugula neritina. A pesquisa determinou que o composto sintético é menos tóxico do que a versão natural.

“Os achados são significantes porque diversas tentativas anteriores de ativar o vírus latente tiveram sucesso limitado” disse o autor sênior Jerome Zack, professor e diretor do Departamento de Microbiologya da UCLA. “A maioria dos estudos mostravam uma fraca ativação do vírus, uma toxicidade severa, com pouco efeito sobre a reserva”.

Marsden disse que resultados em camundongos não necessariamente se traduzem em resultados em humanos. Em estudos futuros, os cientistas pretendem descobrir como fazer o SUW133 menos tóxico, e avaliar seus efeitos em animais maiores, antes que ele possa ser testado em humanos.

Publicado na Eurek Alert

Você também deve apreciar:

NASA e AEE publicam imagem gigantesca da Galáxia de Andrômeda, composta por 1,5 bilhões de pixels
Cientistas descobrem Super Buraco Negro 660 milhões de vezes maior que o sol
Pesquisadores brasileiros criam combustível de foguete mais barato
Uma nave espiã está perseguindo a Estação Espacial Internacional?
Estamos procurando vida nos planetas errados, diz estudo
Nenhum sinal de assimetria na força forte
O que eram essas luzes brilhantes que tomaram conta dos céus nos EUA? Descubra!
Pesquisadores mediram a distância na qual uma Supernova poderia nos matar
Os raios cósmicos de alta energia vêm de fora da nossa galáxia
As primeiras imagens de estrelas de nêutrons colidindo são de tirar o fôlego
Novembro: saiba quais são os principais eventos astronômicos do mês
Cinco novos asteróides surpreendem os astrônomos nas imagens do Hubble
Mostrar
Hide Buttons