Por que a procura por vida alienígena (mesmo que não exista) é boa para a humanidade
loading...

Por que a procura por vida alienígena (mesmo que não exista) é boa para a humanidade

A procura pela vida alienígena em qualquer parte do universo é um dos aspectos mais atraentes da ciência moderna. Por conta de sua importância científica, diversos recursos são voltados para a jovem ciência da astrobiologia, desde veículos que andam em Marte a observações telescópicas de planetas que orbitam as estrelas.

 

O Santro Graal dessa atividade seria a descoberta de vida alienígena, que, com certeza, teria implicações científicas e filosóficas. Mas tal fato ainda permanece um sonho distante, e por conta de tudo que já sabemos, ela não pode sequer existir.

Felizmente, mesmo que vida alienígena não exista, nada está perdido: o simples fato de continuarmos a procurá-la terá grandes benefícios para nossa sociedade.
E por que esse é o caso?
Primeiro, a astrobiologia é inerentemente multidisciplinar. A procura por alienígenas requer, no mínimo, conhecimentos nas áreas de astronomia, biologia, geologia e ciência planetária. Cursos nessa área precisam abordar elementos de todas essas disciplinas, e seus pós-graduandos precisam ter um bom conhecimento de todas elas.

 

Por forçar a interação de múltiplas disciplinas científicas, a astrobiologia está estimulando a reunificação parcial de várias ciências. É um ponto importante para abandonar a visão de extrema especialização do século XXI e retornar as questões interdisciplinares que eram predominantes anteriormente.

Por também produzir cientistas de pensamento amplo, que são familiares com os múltiplos aspectos do mundo natural, o estudo da astrobiologia acaba enriquecendo qualquer empreendimento científico. É a partir desse cruzamento de ideias que descobertas futuras devem surgir, e elas devem deixar um legado permanente na astrobiologia, mesmo que isso não inclua a descoberta de vida extraterrestre.


Também é importante reconhecer que a astrobiologia é uma empreitada com diversas possibilidades. A procura pela vida no universo nos leva a diversos ambientes extremos da Terra, a superfície de Marte, os satélites gelados dos gigantes gasosos e as infinidades de planetas que existem espalhados pelo universo.
E esse procura continuará, independente se a vida será descoberta em qualquer um desses locais ou não. O alcance desse tipo de pesquisa é infinito, então possui o potencial de ser uma fonte sempre renovável de estimulação científica e intelectual.

Além de todos os benefícios intelectuais da astrobiologia, também existem suas implicações sociais.

É simplesmente impossível considerar a buscar por vida em Marte ou qualquer outro planeta que orbita uma estrela distante sem ter de abandonar as perspectivas terrestres que dominam as vidas políticas e sociais do nosso planeta. Hoje, a Terra possui diversos desafios globais que só podem ser alcançados através da cooperação internacional. Só que ideologias religiosas e nacionalistas continuam fragmentando a humanidade. E o crescimento de uma perspectiva cósmica unificada é extremamente importante para as ambições da busca pela vida extraterrestre.
Nos primeiros anos da era espacial, o embaixador dos EUA na ONU, Adlai Stevenson, disse, basicamente, que enquanto as nações continuassem a bater boca, jamais conquistariamos a majestade do espaço sideral. Infelizmente, essa perspectiva ainda não entrou na mente da população. Por outro lado, o grande interesse público pela procura da vida no espaço significa que a astrobiologia pode funcionar como uma espécie de poderoso veículo educacional para a popularização dessa ideia.

De fato, foi a partir do envio de naves espaciais para explorar o sistema solar (em, grande parte, por conta de propósitos astrobiológicos) que conseguimos obter imagens de nosso próprio planeta que mostrassem seu papel cósmico.

Além disso, a astrobiologia providencia uma importante perspectiva evolucionária dos assuntos humanos. Ela demanda um enorme senso de história. Por conta disso, muitos cursos da área tem início com a história do universo. Tudo começa com o Big Bang, e a origem dos elementos químicos, a evolução das estrelas, galáxias e sistemas planetários, a origem da vida e a história evolucionária das primeiras células até os animais mais complexos também são abordados.

Uma história profunda como essa ajuda a localizar as questões humanas na imensidão do tempo, e por consequência, complementa a perspectiva cósmica que é fruto da exploração espacial.
Implicações políticas
O naturalista prussiano Alexander von Humboldt disse uma máxima que ficou famosa: “a visão mais perigosa do mundo é a visão daqueles que ainda não observaram nosso mundo”. Humboldt estava, provavelmente, pensando sobre os amplos potenciais das viagens internacionais.

Mas as familiaridades das perspectivas cósmicas e evolucionárias oferecidas pela astrobiologia, reforçadas pelas atuais visões da Terra sobre o espaço, podem, com certeza, também agir como forma de ampliar mentes de uma maneira que faça o mundo ser menos fragmentado e perigoso.

Existe uma importante implicação política inerente a esta perspectiva: por ser uma espécie inteligente e tecnológica, que domina o único planeta habitável do universo, a humanidade possui a responsabilidade de desenvolver instituições políticas, internacionais e sociais para lidar com a atual situação em que nós nos encontramos.

O escritor britânico HG Wells disse uma vez que “a história humana se torna cada vez mais uma corrida entre educação e catástrofe”. Uma observação desse tipo parece especialmente relevante e pertinente para a atual situação geopolítica do planeta, onde aparente decisões irracionais, geralmente tomadas por governos (e também por enormes populações) são normalmente ignorantes em relação a perspectivas mais amplas e modernas. E que podem, realmente, levar nosso planeta a catástrofe.
Fonte: Live Science

Você também deve apreciar:

Estátua gigante do maior faraó egípcio é encontrada em Cairo
Fervura de sangue e congelamento: 5 formas como Marte pode te matar!
Astrônomos encontram um planeta mais quente do que a maioria das estrelas!
Galáxias que se fundem envolta de buracos negros
NASA irá lançar pela primeira vez uma sonda para o Sol
Asteroide que acabou de passar perto da Terra é tão grande que possui seus próprio sistema com duas ...
Mais evidência de água em Marte
Arqueologia Proibida? As Câmaras Secretas sob as Pirâmides e Esfinge
Novo estudo da NASA pode facilitar a identificação de planetas habitáveis
Lua possui local que protegeria astronautas dos perigos de sua superfície
A despedida de Cassini na atmosfera de Saturno
Tabela ancestral misteriosa pode revelar mais informações sobre o misterioso “Povo do Mar” do Egito
Mostrar
Hide Buttons