Se a Lua explodisse o que aconteceria com a Terra?
loading...

Se a Lua explodisse o que aconteceria com a Terra?

O ano é 2113. A Humanidade passou os últimos 100 anos armazenando ogivas nucleares. E não apenas alguns – 600 bilhões das maiores e mais poderosas ogivas que podem construir.

Mais ou menos como a Bomba Tsar da Rússia (a maior bomba nuclear detonada), mas, bem, 600 bilhões de vezes.

Por quê? Porque decidimos explodir a Lua, e para isso seria necessário o equivalente a 30 trilhões de megatons de TNT.

Quando dizemos “explodir”, não queremos dizer apenas explodir um pouco. Veja, se você não eliminar completamente a Lua, os fragmentos restantes provavelmente se unirão novamente em um objeto do tamanho da Lua.

Claro, ele não parecerá tão bonito ou tão esférico quanto a Lua moderna, mas será bem semelhante em seu efeito gravitacional na Terra.

Não, o que nós (ou, mais especificamente, nossos futuros eus) queremos fazer é se livrar completamente da Lua. Assim, com seus múltiplos foguetes prontos e esperando para atacar a Lua de todos os lados, eles lançam-nos em direção ao nosso satélite natural e explodem em pedacinhos.

Cientistas de todo o mundo se preparam ansiosamente para um dos maiores (e mais idiotas) experimentos de todos os tempos.

Com os fragmentos da Lua muito pequenos para se unirem gravitacionalmente, eles começam a se espalhar. Primeiro, um grande número deles se dirige para a Terra, chovendo a Lua derretida em nosso planeta.

Cidades são destruídas, países são varridos do mapa, e começamos a nos perguntar se explodir a Lua era uma ideia tão brilhante.

Anel terrestre

 

O material restante da Lua entra em órbita ao redor do mundo, formando um anel ao redor do nosso planeta. Mas, como o anel de Saturno, não fica apenas lá.

Periodicamente, para o resto da vida da Terra, meteoritos partem do anel e batem na superfície. Estamos agora sob constante bombardeio de uma lua aparentemente vingativa.

Mas a Lua ainda não terminou ainda. Você já notou que a Lua está coberta de crateras? Bem, isso é porque ela é atingida por meteoritos, protegendo a Terra de algumas das rochas que encabeçam nosso caminho.

Com a Lua aniquilada, agora também estamos mais vulneráveis ​​às rochas espaciais.

Calmaria e calamidade

É claro que um dos efeitos mais notáveis ​​da Lua são (ou foram) as marés. Com a lua não mais lá, os oceanos do mundo se tornam muito mais calmos.

O Sol ainda tem um efeito sobre elas (conhecido como marés solares), então os surfistas não seriam completamente desprovidos de ondas. Mas os oceanos se tornariam em grande parte serenos.

Isso tem um efeito terrível sobre a vida na Terra. Quando a vida se formou na Terra em poças de maré, foi graças à atração gravitacional da Lua que a vida primordial foi capaz de atravessar diferentes poças e geralmente se espalhar pelo planeta.

Sem o movimento das marés, muitos animais teriam dificuldades enormes para se locomover pelos mares, sem falar que a circulação de nutrientes cessaria e, com o tempo, milhares — e até milhões — de espécies entrariam em extinção.

E isso não seria tudo: a Lua também exerce influência sobre a órbita, movimento de rotação e a variação no eixo de rotação do nosso planeta.

Portanto, segundo Harfield, sem o satélite para estabilizar as coisas aqui na Terra, o nosso mundo começaria a “bambolear” cada vez mais sobre o próprio eixo, as estações do ano se tornariam caóticas e a nossa órbita ao redor do Sol passaria a ser muito mais elíptica, instável e descontrolada.

Em suma… nunca, jamais, deixe alguém convencer você de que pulverizar a nossa incrível e inestimável Lua seria uma boa ideia. Se ela, por azar, deixar de existir um dia, toda a vida do planeta desaparecerá com ela.

Fonte:

How It Works/Dave Harfield

Você também deve apreciar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *